28 novembro 2016

Mais um A13 incrível, definitivamente eu não sei como estaria minha vida hoje se eu não tivesse conhecido a Videira. Realmente são os momentos de crise que levam a gente pra frente, que impulsionam, que transformam e eu jamais imaginava que toda aquela crise, todo aquele medo, seria transformado em tudo que eu tô sentindo hoje. Senti muita vontade de registrar aqui no blog tudo que foi dito ontem, porque não pode parar em mim, não pode ficar só lá naquelas pessoas, tem que ir pra frente, tem que ser disseminado. Nesse último basicamente falamos sobre 3 grupos de pessoas e com certeza você – assim como eu – vai se identificar em algum desses grupos, seja agora ou no seu passado.

01. O QUE É SEU, É MEU
Esse é o primeiro grupo de pessoas, o grupo do “O QUE É SEU, É MEU”. São aquelas pessoas que sempre estão prestando atenção no que o outro tem, que sempre estão fazendo questão de se desfazer do que o outro tem de bom. Normalmente a gente costuma chamar de vampiros ou dementadores, aquelas pessoas que quando chegam você já sabe que vão te colocar pra baixo, porque elas não podem ver ninguém feliz que não sejam elas mesmas. A gente precisa se policiar todos os dias pra NÃO ser esse tipo de pessoa, pra aprender a comemorar a vitória do outro, pra ficar feliz com a realização do outro, porque veja bem cada pessoa tem a sua própria história, cada pessoa tem o seu caminho a seguir.

Você já parou pra se perguntar que tipo de pessoa você tem sido na sua casa? no seu trabalho? entre os seus amigos? Você é o tipo de pessoa que encoraja outras ou – até mesmo sem querer – apaga a luz delas? Você traz palavras de benção ou de maldição dentro da sua casa? Você tem consciência do que sai da sua boca, você tem consciência sobre os teus sentimentos? São nesses questionamentos que me pego descobrindo várias coisas sobre mim mesma, como por exemplo, era uma pessoa extremamente julgadora, julgava a mim e aos outros como se essa fosse a minha tarefa da vida, sei que é péssimo, mas também sei que a coisa mais importante é reconhecermos os nossos erros porque só assim iremos conseguir consertar! Hoje consigo me policiar quantos aos julgamentos e críticas que sempre fazia. Tá tudo melhor agora.

02. O QUE É MEU É MEU E O QUE É SEU É SEU
O segundo grupo são aquelas pessoas que simplesmente não se importam com as outras. Infelizmente eu me identifiquei bastante aqui porque já fui muito assim. Eu achava que simplesmente não me importando seria mais fácil, eu não me machucaria e também não machucaria ninguém, eu também não sofreria se elas fossem embora, mas é aquela coisa: essa é sempre a opção mais fácil, não se importar. Mas foi com esse pensamento que cheguei a lugares solitários.

E acho que realmente tem alguns momentos na vida que a gente age assim, se afastando, cuidando apenas do que é nosso e se esquecendo de que viemos aqui na Terra pra compartilhar, pra ajudar e pra vivermos em conjunto. Não dá pra gente viver olhando pro nosso próprio umbigo – eu sou prova viva – não quero mais viver olhando pra minha própria vida e esquecendo das pessoas ao meu redor. Sempre podemos fazer mais pelo outro, sempre podemos ser luz na escuridão de alguém, é o nosso DEVER levar uma palavra amiga, levantar alguém que está caído porque tenho certeza que algum dia alguém te levantou quando você precisou. Não dá pra viver na bolha, delimitando espaços, se tornando frio e distante, a gente precisa se reaproximar do outro e não ter medo. Amar mesmo sem esperar nada em troca.

03. O QUE É MEU É SEU
E agora o terceiro grupo. O que é MEU é SEU. O grupo ideal que precisamos sempre buscar, o grupo do amor e do compartilhamento. O grupo da empatia :) O grupo que entende que Deus não faz nada pela metade, que ele é completo e nos deu tudo que precisamos para nós e para os que estão ao nosso redor, a gente só precisa ver e acreditar nisso. Confiar com todas as nossas fichas e viver em paz, ajudando e servindo ao outro. O grupo que encoraja pessoas, que traz palavras amigas, que está sempre disposto a levantar alguém caído, porque é o grupo que entende que não existe diferenças, que entende que Deus é o Pai do rico e do pobre e que jamais deixará faltar nada, absolutamente nada.

Enfim, não sei se ficou muito claro, aliás eu sempre acho que não me expressei direito nos textos hahaha, mas diário é diário né? Então espero que tenha conseguido passar a mensagem – o importante é que você se pergunte em que grupo você está hoje (sinceramente)? Não tem problema se você não estiver em um grupo que te agrada, o que vale é ter a consciência pra mudar de grupo o mais rápido e ser disciplinado pra andar no caminho certo. NÃO TENHA MEDO :)

Se estiver sem Facebook, comenta aqui :)

  • Jade Amorim @ 03/12/2016 - 20:02

    Fico feliz em saber que você está se redescobrindo, Ellen. É sempre bom quando encontramos filosofias que nos abrem para novos horizontes e nos ajudam a ser pessoas melhores.
    Particularmente eu tenho um posicionamento um pouquinho diferente em relação a esses três padrões comportamentais que você citou, mas acredito que é normal pessoas diferentes com standarts diferentes.
    Acho que sou um pouco mais cética e tenho uma visão bem menos romântica das relações humanas… rs

    Beijos.