24 abril 2017

Tá todo mundo falando da Cabana. E foi assim com o livro também quando lançaram, não é de se espantar, a Cabana trata de um tema que SEMPRE vai gerar discussões: O Todo Poderoso, Deus. Cada pessoa tem a sua idéia, a sua crença, a sua fé e a sua interpretação do sobrenatural de Deus. Finalmente eu posso dizer que sou alguém que tenho um relacionamento com Ele e por isso eu estava bastante ansiosa pra assistir, o fato é que logo depois de assistir e, claro, me emocionar MUITO fui correndo pesquisar resenhas, assistir pessoas conhecedoras da Palavra de Deus e cá estou pra resenhar mais um filme, depois de um longo tempo sem escrever – tô até achando estranho haha. Assim como sempre digo antes de resenhar, não sou especialista e aqui é pura e simplesmente a minha visão sobre o filme (e nada sobre o livro, pois não li) – e que não esqueçamos que o filme trata de entretenimento, ou seja, não é uma obra baseada em fatos reais como Milagres do Paraíso, por exemplo.

Aliás, eu gostaria de começar por aqui. Vi várias opiniões contrárias ao filme, mas a primeira coisa que a gente não pode esquecer é que estamos falando de entretenimento. Pra começo mesmo de conversa o autor William P. Young escreveu essa história para os filhos e nem se quer ia publicá-la até que decidiu fazer e cá estamos nós levando super a sério e enumerando diversas heresias na obra. É fato que a história é puramente o que o William acha e sente a respeito de Deus, são as experiências e crenças DELE. Se teve heresias durante? Sim, teve, mas vamos falar disso depois.

Se você já assistiu A Cabana sabe que Mack é o personagem principal que vive um luto intenso depois da morte violenta da sua filhinha de 6 anos, Missy. O fato é que ele não aceita o que aconteceu e questiona Deus dos porquês: Porque Deus não fez nada? Porque Deus permitiu isso acontecer? Porque Deus isso ou aquilo? Pra mim esse é um dos temas centrais do filme que gostaria de dividir em 4: Questionamentos a Deus, Confiança sobre Quem é Deus, Ser o Juíz e o Perdão.

Achei que o filme retratou muito bem durante todo o tempo o tamanho do amor de Deus. A Divina Trindade, em Pai, Filho e Espírito Santo. Nós vivemos questionando tudo de Deus, porque aconteceu aquilo comigo ou aquilo outro. Porque isso, porque aquilo e definitivamente não confiamos. Achamos que tudo deve acontecer a nosso tempo, a nossa hora, que não devemos sofrer por um instante. Sabe aquela frase: “Coisas ruins acontecem com pessoas boas?” Mesmo que exista um Deus gigante, dono do mundo e com o maior amor, coisas ruins vão acontecer – obras do mal – sempre vão acontecer e isso jamais tira a grandeza do amor de Deus e muito menos o seu poder de curar nossas feridas.

Foi legal ele retratar Deus como uma mulher? Não, de fato isso não é mesmo algo que se deva fazer, a Palavra de Deus é clara quando diz que não devemos de maneira alguma comparar o Pai como ‘carne’ ou como ‘homem’ ou alguma ‘imagem’, pois o Pai é Espírito. Então, essa é a primeira das heresias que muita gente criticou e de fato concordo, mas por toda a dinâmica do filme, não creio que seria possível outra maneira, visto que até a “sabedoria” foi disposta como uma bela mulher. No entanto, isso de maneira alguma atrapalha o enredo do filme. O fato é que para tantas pessoas que nunca se quer tiveram contato com Deus acredito que é uma forma incrível de aproximação e até abertura para um novo olhar de relacionamento com o Pai.

Outra cena que mexeu muito comigo foi a cena em que Jesus pede para Mack esperá-lo do outro lado do rio, então Mack entra em uma canoa e no meio da travessia começa a afundar em uma água preta, suja, triste, em fúria e nesse momento Jesus está do lado de fora do barco dizendo: OLHE PRA MIM. OLHE PRA MIM MACK. NÃO OLHE PRA ISSO, OLHE NOS MEUS OLHOS. Mesmo o barco afundando, mesmo a água preta consumindo Mack, mesmo com MEDO e em pânico de se afogar e entrar na escuridão, Mack se concentrou e olhou fixamente pros olhos de Jesus. E em alguns minutos toda aquela tempestade havia passado e a calmaria se instalou novamente.

E é aí que entra a lição dessa cena, às vezes estamos tão fixados em nossos problemas rasos ou profundos que não paramos para olhar pra Jesus que é a nossa única luz, o nosso único caminho e mais uma vez voltamos pros tópicos que citei anteriormente – Confiança em quem é Deus. Confiança no Pai, no Filho e no Espírito Santo – Tem uma frase do filme que é: Enquanto a única coisa que você consegue ver é a sua dor Mack, você não consegue me ver e de fato, essa é a mais pura realidade.

Gostaria de ficar aqui falando sobre o filme INTEIRO, mas creio que o post já está enorme e se você chegou até aqui: que bom ter você como leitor(a)! hahahaha A última coisa que gostaria de atentar é sobre outra heresia que – pra mim – não dá pra passar despercebido. É quando a Trindade diz que não há diferença entre eles, que eles são todos iguais – O Pai, O Filho e O Espírito Santo, é importante deixar claro que eles tem o mesmo nível de Poder.

Tanto o Filho, quanto o Espírito Santo tem a permissão do Pai para fazer, porém Jesus deixou bem claro quando disse: “Eu digo o que meu Pai manda dizer” – “Eu faço o que o meu Pai manda fazer”, sendo assim existe sim uma ordem de hierarquia e que o Filho e o Espírito Santo obedecem às ordens do Pai! No mais, acho que o filme é importantíssimo para aproximar pessoas a conhecerem esse Deus de amor, um Deus que não condena (apesar de deixar claro que cada um arca com as consequências de suas ações), um Deus que cura feridas abertas pelo mal, um Deus Papai! Pra mim, valeu muito a pena toda a experiência e a mensagem passada pelo filme, vem “De Volta à Cabana”!

Gostou do que leu? Então nos acompanhe pelas redes sociais para poder ver nossas atualizações e ler os novos conteúdos do blog rapidinho. Dê um like na página do Facebook e siga o perfil @ellen.nuwem no Instagram. Lembra de deixar seu comentário! :D

Se estiver sem Facebook, comenta aqui :)

  • Auana @ 05/05/2017 - 22:21

    Hoje sobrou um tempinho e eu fiquei pensando assim “que vontade de ler um bom blog!” e pensei no seu na hora.

    Só queria que vc soubesse que você é uma baita inspiração pra mim e fiquei com vontade de comentar isso, mesmo sem ter a ver com o filme (que, por sinal, me inspirou também e vou ir assistir amanhã).

    Beijo! <3